Amamentação real: especialistas tiram dúvidas sobre o aleitamento materno

Amamentação real: especialistas tiram dúvidas sobre o aleitamento materno

A semana mundial de aleitamento materno, que começou dia 1º e vai até sete de agosto, tem como objetivo incentivar a amamentação principalmente nos seis primeiros meses de vida do bebê. Quem já amamentou sabe as dores e as delícias de alimentar seu filho. Um dos problemas mais enfrentados pelas mães são as feridas que surgem no bico do peito quando as crianças mamam.

EVELIN AZEVEDO | EXTRA | 05.08.2018

— A pega incorreta do bebê pode ser o motivo de os mamilos estarem machucando. Corrija a posição e fique tranquila. O próprio leite é um ótimo cicatrizante. Também considere a utilização de produtos que ajudem na cicatrização das lesões, mas somente com a indicação do seu médico — orienta o ginecologista e obstetra Corintio Mariani Neto, presidente da Comissão Nacional de Aleitamento Materno da Febrasgo.

Nos primeiros dias, a mãe produz o colostro: um tipo de pré-leite rico em proteínas e anticorpos, fundamental para a saúde da criança.

— Quando ainda estava no hospital, ouvi de enfermeiras que eu não tinha colostro e que precisariam dar leite artificial para minha filha. Fui firme e não deixei. Esperei que meu colostro viesse, já que a bebê sugava bem e não chorava — diz a professora de educação infantil Tainaçã Espasandin, de 37 anos, mãe da Yasmin de seis meses.

Produzir leite demais também pode ser um problema. O excesso do líquido dentro dos seios corre o risco de “empedrar”.

— Eu tinha tanto leite, que precisava colocar compressa de água fria para diminuir a produção. Não podia tirar, porque quanto mais leite você tira, mais você produz. Tive tanto leite que empedrou em uma glândula na axila — conta a esteticista Andreia Martins, de 35 anos, mãe de Heitor, de oito meses e Dante, de 2 anos e nove meses.

Bom para o bebê e a mãe

O leite materno contém todos os nutrientes necessários para o desenvolvimento da criança até que ela complete seis meses. O aleitamento exclusivo até esta idade diminui a chance de mortalidade infantil e problemas respiratórios.

As mães que amamentam exclusivamente por seis meses apresentaram maior rapidez na perda de peso acumulado durante a gravidez, além de reduziro o risco de câncer no ovário, útero, endométrio e mama.

Tire suas dúvidas

Qual é a posição certa para amamentar?

Corintio: A mãe deverá estar relaxada e confortável, o abdome do bebê encostado ao seu, com a cabeça e o tronco alinhados e o queixo tocando o peito materno. A boca do bebê deve estar bem aberta (cobrindo quase toda a parte inferior da aréola), o lábio inferior voltado para fora e sua língua acoplada ao peito. A sucção será lenta e profunda, intercalada por pequenas pausas de deglutição. O pequeno deve sugar a aréola, não o mamilo.

Pode acontecer do bebê ‘gostar’ mais de um peito do que do outro?

Lourdinha: Na hora de amamentar, a “pega” pode ser mais certa em um peito no outro. Mas a mãe precisa amamentar nos dois. Minha dica é que, na hora de trocar o peito, ela mantenha a criança na mesma posição e apenas troque o peito. Para isso, talvez a mãe precise de ajuda, se a criança ainda for bem pequena

No Rio faz calor o ano todo. Eu posso dar um pouco de água para o bebê antes dos seis meses?

Corintio: Nos primeiros seis meses, não precisa oferecer nada mais, nem líquido. O leite do início de cada mamada é mais diluído, pois contém bastante água, o suficiente para hidratar a criança, independentemente da temperatura ambiente. Por isso, não é necessário oferecer nem água, nem chá para o bebê

É verdade que se a criança pegar a mamadeira ela larga o peito?

Clay: Sim, porque sugar o peito da mãe dá mais trabalho para o bebê do que mamar na mamadeira, da qual o leite sai mais rápido e de maneira mais fácil. Com a mamadeira a criança fica mais acomodada. Por isso, as mães que desejam continuar amamentando depois dos seis meses devem dar líquidos em copinhos e sólidos com colher

O que fazer para o leite produzido em excesso não “empedrar”?

Lourdinha: Muitas mulheres tiram o leite com a bomba, mas não recomendamos isto pois quanto mais se tira o leite, mais ele é produzido. Recomendamos que a mãe faça uma massagem em volta da auréola para evitar a dor. Para fazer a massagem é preciso apoiar a mama em uma das mãos e com a outra fazer movimentos circulares em volta da auréola

Como a alimentação da mãe pode influenciar na saúde do bebê?

Corintio: A exemplo da gestação, a mulher que amamenta deve manter uma dieta equilibrada, o mais saudável possível. A sua alimentação básica deve conter proteínas, vitaminas e sais minerais, com bastante moderação no que se refere a gorduras e carboidratos. O abuso de alimentos de difícil digestão ou que costumam produzir flatulência (gases intestinais) podem provocar cólicas na criança, como, por exemplo, feijão, couve, batata doce e refrigerantes

Uma mulher com o bico invertido pode amamentar?

Lourdinha: Algumas mães conseguem amamentar, mas outras não. A mulher que tem o mamilo invertido deve avisar ao seu médico sobre isso no começo do pré-natal para que os seios recebam algum preparo

Usar anticoncepcional diminui a produção do leite?

Corintio: Depende do anticoncepcional. Existem pílulas que contêm apenas progestagênio (as minipílulas), que são ideais para lactantes e, por isso, não interferem na produção e qualidade do leite materno. É importante ressaltar que algumas mulheres podem ovular mesmo amamentando. Assim, é recomendado que a mãe converse com seu médico e inicie a contracepção a partir da sexta semana após o parto. O alerta fica para as mulheres que amamentam e fazerem uso de pílulas anticoncepcionais combinadas (que são as mais comuns e conhecidas). Elas têm em sua composição o estrogênio, que pode alterar a qualidade e quantidade do leite produzido, principalmente no período de aleitamento materno exclusivo.

Por que algumas crianças parecem sentir fome mais rápido?

Corintio: A criança pode sentir fome com mais frequência por não estar recebendo o leite materno de maneira adequada. Pode ser por técnica incorreta de amamentação, sucção inadequada, tempo insuficiente, ou, ainda, por quantidade insuficiente de leite materno. É no final das mamadas que o leite fica mais consistente, com maior teor de gorduras. Este sim vai saciar a fome e engordar a criança. Por isso, a mamada não deve ser interrompida para a criança mamar no outro seio. Ela deve mamar no mesmo peito até ficar satisfeita

O que fazer para evitar machucados no peito?

Corintio: As fissuras nos mamilos, em geral, são provocadas por uma ou mais das seguintes causas, todas evitáveis: posição inadequada da criança; pega inadequada; oferecer o peito muito cheio (a criança, pode não conseguir pegar corretamente a aréola, por excesso de tamanho da mama; e acaba pegando somente o mamilo, provocando a rachadura); uso inadequado de bomba de extração de leite; interrupção abrupta da sucção e uso de produtos químicos sobre os mamilos (quando precisam ser removidos antes de cada mamada, deixam a região mais sensível e predisposta a lesões)

Como deve ser feito o desmame?

Clay: O desmame deve ser feito aos poucos, substituindo um horário de mamada por um alimento sólido, pastoso ou por suco. Quando a criança se acostumar com a nova rotina alimentar, pode fazer mais uma troca e assim até que o desmame aconteça totalmente

Perguntas respondidas por: Lourdinha Martins, consultora de amamentação e assistente social; Clay Brites, pediatra e neurologista infantil do Instituto NeuroSaber; e Corintio Mariani Neto, ginecologista e obstetra, presidente da Comissão Nacional de Aleitamento Materno da Febrasgo e diretor técnico do Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros.

Amigos do peito

Mães que estiverem com dúvidas ou dificuldade para amamentar podem procurar ajuda nos Bancos de Leite Humano (listados abaixo). As orientações são gratuitas. Lá, as mães também podem doar seu leite, que serão usados para alimentar bebês que estão internados em UTIs neonatais de hospitais públicos.

Banco de Leite Humano da Maternidade Escola da UFRJ

Rua das Laranjeiras 180, Laranjeiras, Rio de Janeiro — (21) 2285-7935

Banco de Leite Humano da Maternidade Leila Diniz

Av. Ayrton Senna 2.000, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro — (21) 3111-4930

Banco de Leite Humano do Hospital Central do Exército

Rua Francisco Manuel 126, Triagem — (21) 3891-7364

Banco de Leite Humano do Hospital da Mulher Heloneida Studart

Av. Automóvel Clube 00, Jardim José Bonifácio, São João de Meriti —(21) 2651-9620

Banco de Leite Humano do Hospital dos Plantadores de Cana

Av. Dr. José Alves de Azevedo 337, Parque Rosário, Campos dos Goytacazes — (22) 2737-7441

Banco de Leite Humano do Hospital Federal dos Servidores do Estado

Rua Sacadura Cabral 178, Centro, Rio de Janeiro — (21) 2291-3131

Banco de Leite Humano do Hospital Maternidade Alexander Fleming

Rua Jorge Schimidt 331, Marechal Hermes, Rio de Janeiro — (21) 2458-1595

Banco de Leite Humano do Hospital Maternidade Carmela Dutra

Rua Aquidabã 1.037, Lins de Vasconcelos, Rio de Janeiro — (21) 3111-6625

Banco de Leite Humano do Hospital Maternidade de Nova Friburgo

Travessa Antônio Fernandes Moreira 12, Centro, Nova Friburgo — (22) 2522-9345

Banco de Leite Humano do Hospital Maternidade Herculano Pinheiro

Av. Ministro Edgar Romero 276, Madureira, Rio de Janeiro — (21) 2458-8607

Banco de Leite Humano do Hospital São João Batista

Rua Nossa Senhora das Graças 235, Colina, Volta Redonda — (24) 3339-4242

Banco de Leite Humano do Hospital Unimed Petropólis

Rua dos Expedicionários 144, Bingen, Petrópolis — (24) 2291-9846

Banco de Leite Humano do Núcleo Perinatal

Rua Manuel de Abreu 500, Vila Isabel, Rio de Janeiro — (21) 2868-8208

Banco de Leite Humano Maria Leonor Inocencio Soares

Av. Cesário de Melo 3.215, Campo Grande, Rio de Janeiro — (21) 2333-6795

Banco de Leite Humano Nutricionista Gilsara do Bonfim Santos

Rodovia Washintgton Luiz, Jardim Primavera, Duque de Caxias — (21) 3675-0910

Banco de Leite Humano Profa. Heloísa Helena Laxe de Paula

Rua Marques de Paraná 303, Centro, Niterói — (21) 2629-9234

Banco de Leite Humano Zuleika Nunes de Alencar

Rua General José Cristino 87, São Cristóvão, Rio de Janeiro — (21) 3878-2327

Banco de Leite Humano do Instituto Fernandes Figueira

Av. Rui Barbosa 716, Flamengo, Rio de Janeiro — (21) 2554-1703