Cientistas encontram novo tipo de célula do sistema imune no leite materno

Cientistas encontram novo tipo de célula do sistema imune no leite materno

Conjunto de células estudado há pouco menos de uma década por pesquisadores foi identificado no leite materno. Elas atuam enquanto defesas do bebê ainda estão em formação, diz estudo.

G1 | 03.05.2018

Segundo o estudo, a esttrutura do leite materno pode inclusive mudar quando percebe que o bebê está sob ameaça. Células também podem proteger a mãe da infecção (Foto: Pixabay/Divulgação)

Um novo tipo de células do sistema imune que ajudam a combater infecções no bebê foi encontrado no leite materno, diz estudo publicado nesta quinta-feira (3) no “JAMA Pediatrics’. Essas células atuam na linha de frente do combate de ameaças enquanto o sistema imunológico do bebê está em formação, dizem os cientistas.

As células encontradas no leite materno são chamadas de “células linfoides inatas” do tipo 1. Esse tipo de célula de defesa é considerada de primeira linha contra agentes infecciosos e tem uma descoberta mais recente em relação a outras do sistema imune.

O que os cientistas sabem até agora é que elas atuam na linha de frente da defesa, não possuem receptores específicos como as demais e sua desregulação está ligada a algumas doenças autoimunes (quando o sistema imunológico passa a atacar estruturas saudáveis do corpo).

“Estávamos procurando a fonte que pode fornecer proteção imunológica para o bebê, enquanto ele desenvolve seu próprio sistema imunológico”, diz o Jack Yu, da Faculdade de Medicina da Universidade Augusta, na Geórgia (EUA), em nota.

Nessa procura, os cientistas encontraram também que essas células do sistema ajudam a formar a microbiota intestinal do bebê (conjunto de bactérias instestinais que também atuam na defesa do organismo contra doenças). Essas células também podem sobreviver vários anos no intestino das crianças.

Os pesquisadores também acham que essas células ajudam a proteger a mãe de contrair uma infecção do próprio bebê que está sendo amamentado. Segundo o estudo, essas estruturas podem inclusive mudar para que o bebê a supere a infecção que está ocorrendo.

“Há um ciclo de feedback que muda a estrutura do leite materno quando há uma infecção no bebê”, diz Yu, em nota.

Os cientistas Babak Baban, Jack Yu e Jatinder Bhatia lideraram o estudo. Eles também trabalham no Hospital de Crianças da Geórgia, nos EUA (Foto: Phil Jones/Augusta University)

O estudo mostrou também que essas células estão presentes nos tecidos do bebê durante todo o desenvolvimento. Algumas delas também ficam inativas à espera de um sistema imunológico desenvolvido para se comunicar.

Sabe-se que o leite materno contém milhões de células, incluindo muitos tipos de células de defesa. Os cientistas mostraram, no entanto, que essa linhagem de célula recente — estudada pelos cientistas há pouco menos de uma década, também fazem parte do conjunto de estruturas que compõem o leite materno.

As células mais prevalentes no leite materno são os macrófagos. Trata-se de grandes glóbulos brancos “comedores”. Eles envolvem bactérias completamente e atuam como se as digerissem, explicam os cientistas.