Hussein Tarimo – nossa homenagem e saudade

Hoje homenageamos e lamentamos a morte de um grande líder IBFANer da África, que nos deixou na terça-feira, dia 28 de setembro de 2021.
IBFAN BRASIL | 30.09.2021

Hussein Tamiro (Site WABA)

Hussein Tarimo foi um líder a ser imitado, respeitado, lembrado. No seu país de origem (Botsuana) trabalhou as questões de saúde da mãe e da criança junto ao governo. E teve, claro, destaque na defesa da amamentação contra o marketing abusivo das corporações de substitutos do leite materno. Foi muito importante nas reuniões internacionais que a rede IBFAN participa, nos lobbies junto as Nações Unidas (Assembleia Mundial de Saúde em especial) e na FAO – no comitê do Codex. Hussein Tarimo vai fazer falta no trabalho duro que fazemos diariamente.

Compartilhamos também a emocionada mensagem da IBFANer Magdalena Whoolery:

“A primeira vez que ouvi falar do Sr. Tarimo foi quando estava em Botsuana, trabalhando em acampamentos, em frente à mina de diamantes mais rica do mundo, e um bebê alimentado com fórmula acabara de morrer de diarréia e desnutrição.

Fui direto à nutricionista do UNICEF para perguntar o que estava acontecendo. Por que nossos bebês estavam morrendo em um país de renda média alta?

A nutricionista olhou para mim e disse: ‘fale com o Sr. Tarimo do Ministério da Saúde. A Nestlé fica me perguntando quando ele vai se aposentar’.

Fiquei intrigada e confusa. Eu não sabia o que estava acontecendo. Para mim, a Nestlé só fazia chocolate barato e café ruim. Como eles estão implicados na morte de crianças?

Quando conheci o Sr. Tarimo, perguntei-lhe: ‘o que se passa?’.

Ele jogou uma pasta enorme na minha frente, era o Ministério da Saúde monitorando e relatando dados de violações da LEI de Marketing por empresas, em particular a Nestlé. O Sr. Tarimo explicou que, em 2006, o CDC/MoH publicou dados sobre as mortes de mais de 500 bebês durante um surto de diarreia. Todos os bebês que morreram foram alimentados com fórmula. Os bebês amamentados adoeceram, mas sobreviveram.

A população de Botsuana, naquela época, era de apenas 2,1 milhões. Uma grande perda para a nação. A conversa não parou por aí.

Tarimo perguntou se eu poderia ajudá-lo (com o Botho Compassion Movement) e o Ministério da Saúde na luta contra a Nestlé. Expliquei que éramos o movimento de compaixão e não brigávamos, mas o que podíamos fazer era capacitar nossas mães ao iniciar o grupo de apoio às mães da La Leche League. E foi isso que fizemos.

Um procurador da Nestlé, na verdade, o CHEFE da Nestlé África, havia se infiltrado em nosso comitê do Botho Compassion Movement, tivemos que removê-lo de forma cuidadosa e estratégica e trabalhamos em estreita colaboração com jornalistas investigativos locais. Na verdade, foi uma luta entre o bem e o mal.

O homem da Nestlé enganou muita gente em Botsuana e foi uma lição para mim de como a indústria funciona por meio de procuradores ‘respeitados’.

Tarimo se tornou um membro incrível do comitê e me ensinou sobre como monitorar e relatar violações ao Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno, me ensinou sobre o Codex, me ensinou a ser uma força do bem em um mundo corrupto onde pequenas almas são vendidas pelo lucro.

Tarimo me chamou de filha. Ele era meu pai e meu herói. Ele faz aniversário no mesmo dia que meu pai biológico, 23 de agosto. O universo nos enviou um Anjo, que por acaso era um cientista do Ministério da Saúde.

Estou absolutamente com o coração partido.
O Sr. Tarimo era muçulmano e foi enterrado ontem. Eu sei que ele quer que eu ore por ele e tenho orado. Mas ele, assim como meu outro pai faria, me lembraria que a oração está em nossa ação…

Nossos filhos não podem esperar. A guerra contra nossas mulheres e crianças não acabou. A Nestlé não venceu. Me dando compaixão principalmente hoje, mas é melhor a Nestlé saber que essa mulher ainda está de pé e eu protegerei com todas as minhas forças, nossos filhos de seu marketing predatório.

Em nome de tudo o que é bom no mundo, nunca esquecerei o lembrete frequente de Tarimo, de não ter medo porque temos base em evidências, para responsabilizar a indústria e seu lembrete constante para mim … ‘a luta continua … a luta continua’, e a vitória é certa.

Não temos escolha a não ser vencer.
Sinto sua falta, papai.
Você é o melhor da humanidade.”
de Magdalena Whoolery (IBFAN)